Parabéns, Antoni Gaudi!

Muitos fãs de arquitetura comemoram hoje o 160º aniversário do nascimento do catalão Antoni Gaudi, um dos maiores arquitetos da história. Nascido em Reus, Catalunha, na Espanha, em 25 de junho de 1852, Gaudi foi batizado como Antoni Plàcid Gaudí y Cornet, e apesar de ter vindo de uma família pobre, sempre se interessou por arquitetura, tanto que nunca chegou a se casar, dedicando-se totalmente a profissão.

A maior parte de seus projetos foram executados em Barcelona e arredores, marcando profundamente a paisagem urbana da cidade com seu estilo único. Até hoje, seus palácios e templos se destacam de todo o resto, graças a complexidade de suas formas.

Como sofria de reumatismo, Gaudi não podia acompanhar as crianças na maioria das brincadeiras, e suspeita-se que foi apartir daí que ele começou a  observar a natureza e suas formas, uma inspiração determinante para as suas obras. Além da influência orgânica, seus trabalhos também levavam elementos da arte gótica, medieval e árabe.

Com sua visão distinta que incorporava elementos da natureza, religião e cultura catalenha, Gaudi surpreende até hoje com a magnificência de suas obras. Sempre atento aos detalhes, seus prédios são cheios de terraços e varandas salientes, trabalhados em curvas e projeções, com decoração mourisca.

É algo que não dá pra esquecer ou confundir com outros estilos.

Sua maior obra conhecida é Templo Expiatório da Sagrada Família, um projeto colossal da qual se dedicou de 1915 até a sua morte. Entre outros trabalhos estão a Casa Batló, a Casa Calvet e a Casa Vicens.

Fotos da Sagrada Familia, por dentro e a sua fachada!

Gaudi morreu no hospital em 1926, rodeado de amigos, devido a um atropelamento por bonde. Seu corpo foi enterrado nas criptas da própria Sagrada Familia.

Seu legado artístico, no entanto, vive e surpreende até hoje à todos que conhecem sua obra.

Via Huffington Post.

Fotos: Bikes and BooksSalvador Badiella, profzucker, Jim Anzalone, puroticorico,  dinoboy e bastique.

Eles já estão definidos como mascotes das Olimpíadas de Londres desde 2010, mas com a proximidade dos Jogos eles tem se tornado cada vez mais populares. Escolhidos pelo Comitê Organizador, os cromados Wenlock e Mandeville fogem a linha comum dos mascotes baseados em animais locais, focando nas características urbanas de Londres, e ainda têm uma história cheia de personalidade!

Segundo o próprio Sebastian Coe, presidente do Comitê, ambas as mascotes “são feitas de duas gotas de aço, vindoas de uma viga que se encontra no estádio olímpico.  Eles deverão ligar os jovens ao esporte e, além disso, contar a história dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos”. Read the rest of this entry »

Muitas vezes os singles que surgem nas paradas dos mais ouvidos são canções interpretadas por artistas pouco conhecidos mundialmente, cuja popularidade se concentra na sua própria região. E este é o caso da linda Carly Rae Jepsen, que está estourando nas rádios brasileiras com seu hit Call me Maybe, que provavelmente você já ouviu por aí, mas até agora não sabia quem diabos canta.

Pois então: Quem é Carly Rae Jepsen ?

Read the rest of this entry »

Depois da primeira temporada épica exibida o ano passado, a HBO estreou a continuação de Game Of Thrones em uma premiére mundial, na qual o Brasil estava incluído. 

   Baseado no segundo livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martim, intitulado no Brasil de A Fúria dos Reis, a nova temporada conta com cenários incríveis e impecáveis, ótimas atuações e uma excelente narrativa, tendo tudo para ser mais inesquecível que a primeira.

   Com novos personagens e núcleos incluídos, o episódio de estréia teve um ritmo mais rápido, que permitisse exibir todas as intrigas na qual o mundo de Westeros está incluída: as tramas de Stannis Baratheon para recuperar o Trono de Ferro com a ajuda de sua sombria sacerdotisa Melisandre de Ashai, a luta dos Starks contra os Lannister, as dificuldades de Daenerys Targaryen e seus dragões do outro lado do Mar Estreito e, principalmente, o reinado de Rei Jofrey, que se mostrou ainda mais impiedoso do que no fim da temporada anterior.

   Alguns fãs podem ter não gostado do pouco destaque dado aos Starks, a Tyrion Lannister, que agora é a Mão do Rei, ou ao bando de novos recrutas que se encaminha para a Muralha, mas á de se admitir que as suas cenas não deixaram a desejar em nenhum momento. Quanto a ausência dos Greyjoy das Ilhas de Ferro e do novo Reino de Renly Baratheon, só nos resta crer (e torcer) que terão um papel mais importante nos próximos episódios que se aproximam.

Cenas favoritas: frustada por não controlar mais o filho, Cersei Lannister acabou por lhe enfiar a mão na cara na frente dos súditos na Sala do Trono e quase ser sentenciada a morte. Foi bom ver que nem ela está salva da imaturidade de seu filho para governar. A cena de Robb Stark e Jaime Lannister juntos com o lobo também foi interessante.

Piores cenas: com o fim espetacular da primeira temporada, a participação de Daenerys e seu khalasar neste episódio deixou a desejar. Poderia ter ganhado um pouco mais de espaço.

Perspectiva: os próximos episódios devem focar na guerra entre os novos Reis de Westeros, focando na lealdade dos aliados de cada governante e suas armas para tomar o poder. O inverno e a chegada de Daenerys ao continente devem demorar um pouco mais.

Luz, Câmera, JESUS!

No Brasil, alguns canais de televisão que não se preocupam na qualidade de sua grade, vendem verdadeiros pedaços da programação para terceiros, entre eles Igrejas e religiosos que utilizam dinheiro de patrocínio e, principalmente, dos fiéis, para pagar as emissoras e poderem transmitirem os seus telecultos.

Quem não conhece, por exemplo, Silas Malafaia, o famoso pastor que ficou famoso por levantar a bandeira anti-gay ? Ele já foi denunciado ao Ministério Público inúmeras vezes por incitar o ódio e a violência contra homossexuais no seu programa, o Vitória em Cristo, que é transmitido pela Band e RedeTV! aos sábados pela manhã.

Na ordem: R.R. Soares, Valdomiro Santiago e Silas Malafaia

Mas o pior acontece quando estes canais tapam os olhos para o conteúdo, se fingindo de cegos enquanto o dinheiro vai entrando em caixa. E olhe que o programa já está a quase 30 anos no ar. São quase três décadas em que um programa religioso prega livremente seus ideais, sem nenhuma intervenção do Estado.

Um outro exemplo recente é o do Bispo R.R. Soares, que a um bom tempo ocupa o horário nobre e as marugadas da Band. A história é curiosa, pois o canal confirmou que não renovaria o contrato com o Bispo para 2012 e vinha anunciando novidades na grade para ocupar o horário da Igreja. No entanto, para a surpresa de muitos diretores da própria emissora, Soares acabou renovando contrato e mandando uma grade inteira para o espaço.

Nos bastidores, dizem que muitos outros líderes religiosos estavam torcendo, isso mesmo, torcendo para que o acordo não fosse renovado, assim o Bispo Soares perderia um importante horário e, conseqüentemente, um grande rebanho de fiéis que o assistia em horário nobre. Ou seja, o negócio deixou de ser apenas trabalho missionário, se tornou um empreendimento, uma fonte de lucro, onde milhares de telespectadores fisgados pelos sermões são levados a contribuir com a obra de Deus pela televisão.

E como tudo que mexe com dinheiro, sempre existe concorrente para abocanhar uma fatia do mercado. Seja coincidência ou não, o outro telepastor Valdemiro Santiago, que em 2008 comprou 22h de programação da Rede 21 (que pertence, veja só, ao Grupo Bandeirantes) por R$ 400 mil mensais, estaria negociando o horário nobre da RedeTV!, entre 20h30min e 21h30min, ou seja, antes do programa do R.R. Soares na Band, por uma bagatela em torno de R$ 6 milhões ao mês.

Aí eu te convido a raciocinar: quanto não ganhariam essas emissoras se decidissem investir em programas próprios, dando emprego pra gente criativa e criando concorrência saudável? E enquanto ao Ministério das Telecomunicações e a Anatel, que venderam a concessão para transmitir a esses canais, e não fazem nada em relação a isso, estando cientes que cada canal só pode vender 25% da programação diária, equivalente a 6 horas, de conteúdo comercial ou de produções independentes ? Se somarmos comerciais mais horários vendidos, além do caso da Rede 21, a cota permitida é facilmente ultrapassada. E nós perdemos a chance de serem exibidos conteúdos decentes, ou pelo menos, que não sejam religiosos.

Infelizmente, neste Brasil a guerra é santa e a gente assiste ela do sofá.

Quando eu descobri que o Boni estava desenvolvendo a sua autobiografia, fiquei eufórico. Finalmente poderia ter acesso a trajetória do homem que ajudou a criar o modelo de se fazer TV no Brasil, e transformar a Rede Globo na maior emissora de TV da América Latina.

Intitulado O Livro do Boni, a obra ganhou capa de Hanns Donner (o designer de aberturas da Globo) com uma foto imponente de sí próprio. O título e a arte, ambos tão simples, resumem a variada história de Boni pela comunicação no Brasil. Apaixonado por rádio, onde começou a carreira, se tornou um grande nome da publicidade nacional, da qual lhe serviu como porta de entrada para a televisão, que na época ainda engatinhava no Brasil. Para chegar a direção geral da Rede Globo, foi só um pulo.

Reconhecido internacionalmente, chegou a participar de eventos e  entidades importantes da televisão, como a Convenção Internacional da National Association Broadcasting (NAB) e a Europe Broadcasting Union, além de ser consagrado como um dos maiores mestres da televisão brasileira.

Hoje, aos 66 anos de idade, é sócio de uma das afiliadas da Globo, a TV Vanguarda. Uma posição discreta para quem já fez tanto na vida. Mas a vontade de criar de Boni parece não ter fim. Ele não cansa de falar em novos projetos, como o sonhado canal totalmente dedicado a notícias locais. E que ninguém duvide que ele seja capaz de lançá-lo.

Entrevista no Roda Viva

Como parte da divulgação do livro, Boni esteve presente em diversos programas de TV, entre eles o Roda Viva, no último dia 19. Ele já havia gravado uma participação no programa em 2010. Ambas as entrevistas você pode conferir abaixo:

2011

13/09/2010

Muita expectativa para ver como a Seleção de Mano Menezes iria se sair na estréia da Copa América, na terra dos hermanos, contra a Venezuela. O que a gente não esperava é que a partida fosse ser um fiasco. Até eu, que não sou um expert em futebol, percebi o mal desempenho dos jogadores brasileiros (apesar dos esforços do Mano em dizer que a culpa foi campo).

Muito topete pra pouca ação

Nem Pato, nem Ganso, nem siriema Neymar conseguiram salvar o jogo, que terminou em 0 a 0 e foi se arrastando desde o início da partida, que, pra variar, começou a atrasada. No segundo tempo, ainda tínhamos que ver o Brasil correndo o risco de levar gol, graças ao ataque venezuelano, que decidiu reagir. Inspirado nos adversários, o Mano também decidiu fazer alguma coisa, e colocou o Fred em campo, que só contribuiu com a beleza mesmo, e depois mais duas alterações, que não adiantaram em nada.

De modo geral, a partida teve seu lado bom. Como nenhum brasileiro fez gol, não corremos o risco de ver nenhum deles fazer a ridícula dança do João Sorrisão pra América inteira ver e matar o país de vergonha alheia, e ainda conseguimos colocar o “Cala Boca Galvão” de novo nos TT do Twitter graças a suas pérolas, como o “Neumar” pronunciado na narração da Globo (que eu só vou poder conferir no YouTube, já que felismente pude assistir a partida no SporTV).

E pra proporcionar os melhores momentos do jogo, um cachorrinho entrou em campo e fez questão de atravessar o gramado de ponta a ponta, pra alegria do público.

Agora, a Seleção vai enfrentar o Paraguai no sábado, as 4 da tarde, e vamos ver se nossos jogadores reagem, porque não duvidem amigos leitores, se eles repetirem o mesmo desempenho de hoje, não vamos passar nem da fase dos grupos.

Nuvem de tags

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.